segunda-feira, 25 de agosto de 2008

VOZES DA ALMA - V. I (P 1)


POEMAS QUE NASCEM NO CÉU

As mensagens dos meus poemas,
São flores que nascem no astral.
Cultivado com amor e carinho,
Por um anjo Celestial.

Eu sou a boa ferramenta,
Instrumento da vossa paz.
Para que cultive as sementes,
Das poesias que agora me traz.

Não quero nada de graça,
Da natureza Divina.
Pois na labuta aprenderei,
As lições que a vida me ensina.

Venha à mim belas inspirações,
Bailando ao vento como um véu
Sou humilde antena receptora,
Dos amigos que estão no céu.

Não sei porque fui escolhido,
Para trazer tais mensagens.
Mas sinto que ao escrever,
Do céu revelo a imagem.

Meu cérebro dá vida as paisagens,
Que vislumbro com os olhos da alma.
Enquanto a vida na Terra é dor,
Meu Paraíso é eterna calma.

Na época da grande semeadura,
A Boa Nova eu vou plantando com primor.
Sou o próprio lirismo encarnado,
Uma voz na brisa, carregada de amor.

Nas árvores milagrosas da caridade,
Amarrei minha rede de poemas.
Tudo o que a magia destas mãos escrevem,
Vem de outras esferas e sistemas.

É hora de olhar no calendário,
E agradecer as potências astrais.
Pois minhas letras de sementes tenras,
Já despontam como rosas celestiais.



Poesia extraida do Livro Vozes da Alma.
Autoria: Leon Diniz.
Reg. de Direitos Autorais nº 322.435 Livro 590.
Folha: 95 . Fundação Bibliotéca Nacional. Ano 2004.

Um comentário:

Antônio Lídio Gomes disse...

Poeta quero dizer que cheguei a teu blog por obra do acso.
Mas encontrei aqui um tesouro.
Parabéns, por tão belo poema.
Venha visitar-me no blo VOZES DE MINHA ALMA.
Será um prazer recebe-lo.