sexta-feira, 17 de outubro de 2008

VOZES DA ALMA - V.I ( P.9 )

REENCARNAÇÃO

Ao deixar meu corpo físico,
Numa arena no planeta Terra.
Fui para um tribunal no astral,
Segui vaidoso como um herói de guerra.

Muitos touros eu fiz beijar o chão,
Antes que um deles me tombasse.
Tinha pretensões de reencarnar e Madrí,
Era preciso que um tribunal me julgasse.

Atravessei um jardim ensolarado,
Adiante encontrei o toureiro Juanito.
Que deixou a Terra antes de mim,
Seriamos julgados pelo mesmo delito.

Diante de numerosa platéia,
Sentamos no banco de réu.
Enquanto Juizes exibiam em telas,
Cada crime que parecesse mais cruel.

Percebi que os filmes exibidos,
Eram nossas projeções mentais.
Que saiam como luz do cérebro,
Indo compor todos aqueles materiais.

Juanito correu para fora,
Tomado de forte emoção.
Tudo indicava nele um despreparo,
Para enfrentar a reencarnação.

Tentei mudar as imagens transmitidas,
Ao me ver assassinando um touro.
Mas daí a pouco eu já me achava,
Embriagado por vícios e ouro.

Após o julgamento veio a sentença,
Que eu não esperava jamais.
Renasceria pobre para ser no futuro,
Líder da Associação de Defesa dos Animais.

Poesia extraida do Livro Vozes da Alma.
Autoria: Leon Diniz.
Reg. de Direitos Autorais nº 322.435.
Livro 590.Folha: 95 .
Fundação Bibliotéca Nacional. Ano 2004.

Nenhum comentário: