segunda-feira, 29 de junho de 2009

VOZES DA ALMA - V.I (P.13)

A LEI DA CAUSA E EFEITO

O sol da manhã vai encontrar-me
A meditar sobre o que fazer
Para impedir uma importante tourada
Que hoje na cidade iria acontecer

Uma ideia aflorou em minha cabeça
Iria ao camarim dissuadir os toureiros
Minha missão conheceria vitória dupla
Tendo a adesão de outros companheiros

Em passos largos e bastante ofegante
Caminhei resoluto para a arena Central
Porém quase não resisto a forte emoção
Ao ver mamãe entrar pelo portão principal

Corri muito entretanto não a alcancei
Esta visão deixou-me um vago pressentimento
De que eu caminhava para sérias provações
E vivia na Terra meus derradeiros momentos

Fui à luta para falar com meus amigos
Que foram unânimes em não quererem me ouvir
Um após outro eles foram se retirando
De encontro ao povo nas galerias a aplaudir

A tourada já se encontrava no auge
Quando resolvi invadir a arena
Coloquei-me entre o touro e o toureiro
E aconteceu ali a mais sangrenta cena

O touro arrojou-se atingindo-me o costado
A espada do toureiro penetrou-me o coração
Agonizante meu corpo no chão jazia
Enquanto o pânico dominava a multidão

Senti-me divido em duplo corpo
Junto de Francisco de Assis e uma bela morena
Se minha mente não estivesse conturbada
Afirmaria que era mamãe remoçada e serena


Poesia extraída do Livro Vozes da Alma.
Autoria: Leon Diniz.
Reg. de Direitos Autorais nº 322.435.
Livro 590.Folha: 95.
Fundação Biblioteca Nacional. Ano 2004.

Nenhum comentário: