quarta-feira, 4 de novembro de 2009

MEU LIVRO NA WEB.(JESUS O MAGO DA DIALÉTICA).

Cont. do cap. O Mago da Dialética.

A árvore (de pedra) da ciência da vida, que nunca teria seus frutos saboreados fora de tempo, esperava que o homem paulatinamente, fosse comendo outros frutos até sair da infância planetária rumo a maturidade espiritual, para depois então saborear o seu fruto e só após isso poder entender o sentido da árvore do fruto do conhecimento do bem e do mal. Portanto a serpente que não passava de uma alegoria era a representação do intestino humano, que em forma de serpentina, em espiral fica aguardando que a boca voraz do estomago humano traga as vísceras de animais para satisfazer sua gula, até então o estômago e o intestino dos homens fora elaborado pela engenharia genética cósmica para receber não carcaça de seres vivos, mas somente frutos e vegetais.

- Muito bem jovem Leon, murmurou Ramoisés, - feliz observação! - Mas eu não havia falado nada... só pensei no que observei... de qualquer forma estava orgulhoso, enfim acertei uma: - Leon se você controlar sua ansiedade, tornar-se há imbatível em seus estudos e pesquisas, seja disciplinado e tenha serenidade afinal você é um homem à frente do seu tempo. Mas é isso mesmo, aí está o segredo desvendado a respeito do fruto da árvore da vida.

- Antes que qualquer um aqui levante uma dúvida pertinente, vou me antecipando e esclarecendo. Quanto à prática da pesca e o alimento a base de pescado tão comum em todas a eras nas águas deste planeta, lembro, que seria uma atividade inexistente, caso o homem já fosse capaz de extrair do vegetal todas as vitaminas necessárias à manutenção saudável do corpo físico, porém, fica superado um mal maior, pois os peixes não possuem alma individual, mas sim coletiva, eles passam por um processo evolutivo que os diferencia de qualquer outra espécie já surgido nesta esfera. Não tem com seus pares nenhuma relação parental, pois o seu nascimento não é fruto de um coito físico.

- As fêmeas que estão ovulando, põe estes óvulos no local que elas entendem adequado, a seguir os machos passam inoculando estes óvulos com o seu sêmen carregado de espermatozóide que vai fecundá-los, nascendo assim os alevinos que irão se juntar a outros recém nascidos. È raro, mas existem espécies de alevinos que são protegidos por uma fêmea adulta até que eles aprendam as defesas necessárias para sobrevivência no reino aquático.

Na seqüência da exposição o instrutor entregou-me a pedra esférica que simbolizava o fruto, dizendo: - É sua, leve-a consigo Leon, esta é a única lembrança material que sairá daqui, guarde-a com o devido carinho.

- Como vocês puderam notar, enquanto a natureza cósmica trabalhou milênios a fio construindo as Câmaras rústicas e naturais no interior de grutas e cavernas, cujas paredes serviram de telas para estampar as mais singelas expressões artísticas, mas que retratava o cotidiano da vida dos homens primatas oriundos do orbe terrestre.

- Não menos longevidade que as referidas cavernas, possui o mais fantástico monumento da história da humanidade que é a grande Pirâmide de Gizé, cuja construção dá testemunho da maior obra de engenharia cósmica de que se tem conhecimento, e que têm registrado em sua arquitetura todos os segredos da cosmogonia universal, assim como da origem da raça adâmica oriunda de um planeta da constelação de Capela de Auriga e outros orbes, que colonizaram a Terra em plena era dos homens Cro-Magnons, ocupando vasta área que corresponde ao Irã de hoje, até o delta do Rio Nilo.

- Quero que vocês observem atentamente a imagem que vou projetar no quadro. E brandindo mais uma vez seu cajado, fez aparecer no quadro uma magnífica constelação. Ele então explicou tratar-se da constelação de Auriga ou Cocheiro, onde brilhava o belíssimo Sol de Capela. Notei a estupenda semelhança dos contornos daquela constelação com a figura geométrica da Grande Pirâmide do Egito. Identifiquei a entrada principal, o cruzamento entre o corredor ascendente e descendente, o fosso, a gruta, a câmara da rainha, a grande galeria e a câmara do rei. Incrível! Seria uma enorme coincidência?

Indaguei estupefato; - Como poderia aquela fantástica réplica do maior monumento construído sobre a face da Terra estar ali desenhada no céu sobre a cabeça da humanidade há milênios e nem os maiores gênios que o mundo conheceu pode identificar tamanha similaridade? – Élementar meu jovem Leon, pois caberia a você a missão de retornar e relatar tudo para a espécie humana esquecida do seu passado após uma era em que você conviveu com os arquitetos da Pirâmide Cósmica, há doze mil anos ajudou orientar os construtores deste monumento quando ainda não havia Egito, nem estas areias que hoje encobrem todas as suas lembranças e nem o rio Nilo possuía o vigor caudaloso de hoje.

O instrutor prossegue falando mentalmente, e de olhos cerrados como se estivesse em transe, afirma: – Leon você retornou em fins de 1790 da era cristã para ajudar derrubar o véu do desconhecido encoberto pelas areias do deserto que é o manto protetor tecido pelos prepostos do altíssimo com o escopo de resguardar registros importante da presença na Terra dos homens divinos, assim como sua missão foi trazer a verdade deixando um sinal evidente de que é possível com determinação e disciplina vencer a atrofia da mente humana e ler nas pedras o legado do passado que ainda pode ajudar o homem a lembrar de sua origem, e ter estímulo para retomar a caminhada ascendente rumo ao Paraíso de Capela, tornando se assim mestre de si mesmo.